Gosto

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Direitos adquiridos, sindicalismo e liberdade

Foto R&S

Produtividade = Motivação + Organização



  • Numa tentativa desenfreada de anular os direitos dos trabalhadores e em prol do enriquecimento dos grandes grupos económicos, assistimos diáriamente às mais variadas formas de segregação social e laboral;
  • As pausas (períodos de descanso entre cada duas horas de trabalho) em ambientes de trabalho altamente poluentes, ruidosos, com temperaturas extremamente elevadas e/ou baixas, estão agora ameaçadas com o pretexto de causarem demasiados tempos «mortos»;
  • O sindicalismo é hoje encarado de forma ligeira estando quase sempre «controlado» pelas organizações patronais, e políticas, preocupados apenas em manter o seu status-quo e não perder o "tacho";
  • A liberdade não é mais que um mito, somos livres de aceitar as condições que nos impõem ou fazer as malas e zarpar;
Deixo-vos com a reflexão da fórmula inicial:

A Produtividade depende acima de tudo do grau de satisfação das equipas de trabalho e da capacidade de organização dos seus quadros

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Os novos escravos


Foto Narsas

Ao longo dos tempos, várias foram as formas de escravatura e de controle das sociedades, sempre com o mesmo objectivo - servir os interesses dos senhores feudais, da aristocracia e da igreja;

Hoje, assistimos a uma nova forma de escravatura, em nome da produtividade, da competitividade e de outros novos argumentos, baixam-se os rendimentos ao mesmo tempo que se aumentam os impostos, comparam-se valores com os nossos parceiros europeus quando se trata de preço de bens e serviços essenciais, sem levar em conta os rendimentos médios auferidos por uns e outros e sem considerar todas as variantes, como apoios sociais, custos com saúde, educação e formação, para referir apenas os mais significativos.

Os Senhores "feudais" são hoje as Petrolíferas, os Bancos e Financeiras, Farmacêuticas e um sem número de novas empresas criadas apenas para preparar e sustentar estes objectivos, mas que nada produzem;

A aristocracia será então toda a classe política, administradores dos institutos e outras "parcerias"

A Igreja continua a sua luta para não perder influência e poder, colando-se cada vez mais a estes, em vez de cumprir o seu papel social de apoio, e de crítica ao claro desvio dos valores de solidariedade a que vimos assistindo.

Estamos num crescendo de "sopas dos pobres", em que se gasta dinheiro a "matar a fome" em vez de utiliza-lo para criar emprego e riqueza.
Ensinar a pescar em vez de por o peixe na mesa

Mas o que mais me incomoda é não parar de pensar que tudo isto foi e continua a ser preparado por élites que nos governam e controlam, e que o pior estará para vir...

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

domingo, 5 de agosto de 2012

Contrato de Cidadania

Foto GI

A constituição da República representa o meu contrato de cidadania com o Estado do meu País.

  • Nela foi-me prometida igualdade e democracia;


  • Prometeram-me uma educação e saúde tendencialmente gratuitas;


  • Direito ao Trabalho e a uma Habitação condigna;


  • Direito de associação e à greve;


Nenhum destes pressupostos contratuais estão a ser cumpridos, e, começo a encarar seriamente a hipótese de rescindir unilateralmente o meu contrato.

Digam-me onde me devo dirigir...







terça-feira, 22 de maio de 2012

A Água e o Saber

Imagem google


Abrir a torneira é hoje um gesto automático, dela jorrando o precioso liquido que nos é fornecido sem que pensemos no percurso desde a sua captação, tratamento e todo o processo de distribuição.
Noutros tempos procurávamos escolher as melhores fontes, o vasilhame mais adequado ao transporte e armazenagem, em suma prestávamos mais atenção à qualidade de um bem essencial.

Precisamente o mesmo acontece com o saber - conhecimento - que nos chega hoje de forma standarizada, pelas televisões, jornais e revistas, distribuído pelas mesmas agências de notícias, e quase sempre filtrado e depurado de forma a acautelar interesses.

Tal como acontecia com a água recolhida nas fontes de antigamente, que requeria alguns cuidados relativamente à sua qualidade e pureza, temos hoje outras fontes de informação igualmente genuínas mas que requerem esses tais cuidados adicionais, refiro-me à internet, onde brota informação que pode ser incomparavelmente mais genuína e isenta, desde que cuidadosamente triada e cruzada.

O que não me parece aceitável é que esses canais tradicionais, rádio, televisão e jornais nos soneguem informação, e por outro lado tentem construir uma opinião pública que aproveite e sirva aos lobbies que representam. 
É um pouco como beber água da rede pública, impregnada de calcário, desinfetantes etc. a preços injustificáveis.

Procuremos pois beber água o mais "natural e pura" possível;
E, tentemos obter o máximo de informação disponível, analizemo-la e façamos essa tal triagem de forma a construir de forma livre e autónoma a nossa própria opinião.



sexta-feira, 4 de maio de 2012

Pensamentos

 Foto Google
"A fé significa acreditar naquilo que ainda não vê; e a recompensa por essa fé é ver aquilo em que acredita"
Santo Agostinho de Hippo